Ordem de Culto

Boas vindas e anúncios

Chamada de adoração

Salmo 103

1Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. 2Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios. 3Ele é quem perdoa todas as tuas iniquidades; quem sara todas as tuas enfermidades; 4quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia; 5quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia. 6O Senhor faz justiça e julga a todos os oprimidos. 7Manifestou os seus caminhos a Moisés e os seus feitos aos filhos de Israel. 8O Senhor é misericordioso e compassivo; longânimo e assaz benigno. 9Não repreende perpetuamente, nem conserva para sempre a sua ira. 10Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. 11Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. 12Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões. 13Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece dos que o temem. 14Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó. 15Quanto ao homem, os seus dias são como a relva; como a flor do campo, assim ele floresce; 16pois, soprando nela o vento, desaparece; e não conhecerá, daí em diante, o seu lugar. 17Mas a misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade, sobre os que o temem, e a sua justiça, sobre os filhos dos filhos, 18para com os que guardam a sua aliança e para com os que se lembram dos seus preceitos e os cumprem. 19Nos céus, estabeleceu o Senhor o seu trono, e o seu reino domina sobre tudo. 20Bendizei ao Senhor, todos os seus anjos, valorosos em poder, que executais as suas ordens e lhe obedeceis à palavra. 21Bendizei ao Senhor, todos os seus exércitos, vós, ministros seus, que fazeis a sua vontade. 22Bendizei ao Senhor, vós, todas as suas obras, em todos os lugares do seu domínio. Bendize, ó minha alma, ao Senhor.

Oração invocatória

Hino

Em espírito, em verdade

Em espírito, em verdade
Te adoramos, te adoramos

Rei dos Reis, e Senhor
Te entregamos o nosso viver
Rei dos Reis, e Senhor
Te entregamos o nosso viver

P'ra Te adorar, ó Rei dos Reis
Foi que eu nasci, ó Rei Jesus
Meu prazer é Te louvar
Meu prazer é estar nos átrios do Senhor
Meu prazer é viver na casa de Deus
Onde flui o amor

Hino

Grandioso és Tu

Senhor, meu Deus, quando eu maravilhado,
Contemplo a Tua imensa criação,
O céu e a terra, os vastos oceanos,
Fico a pensar em Tua perfeição

    Então minh’alma
    Canta a Ti, Senhor:
    "Grandioso és Tu!
    Grandioso és Tu!"

    Então minh’alma
    Canta a ti, senhor:
    "Grandioso és Tu!
    Grandioso és Tu!"

Quando eu medito em Teu amor tão grande,
Que ofereceu Teu Filho sobre o altar,
Maravilhado e agradecido venho
Também a minha vida Te ofertar

E quando, enfim, Jesus vier em glória
E ao lar celeste então me transportar,
Adorarei prostrado e para sempre:
“Grandioso és Tu"
Meu Deus, hei-de cantar

Hino

Hoje é tempo de louvar a Deus

Hoje é tempo de louvar a Deus!
E em nós habita agora o Seu Espírito.
Então é só cantar, e a Cristo exaltar,
E a Sua glória encherá este lugar!

    Vem louvar (sim, vem louvar)!
    Vem louvar (sim, vem louvar)!

No meio dos louvores Deus habita
E é Seu prazer cumprir o que nos diz.
Então é só cantar, e a Cristo exaltar,
E Sua glória encherá este lugar!

Hino

Louvamos-Te, ó Deus

Louvamos-Te ó Deus, pelo dom de Jesus;
que por nós pecadores foi morto na cruz.

    Aleluia, toda a glória Te rendemos sem fim
    Aleluia, Tua graça imploramos, amén!

Louvamos-te ó Deus, e ao Teu Filho de amor;
Que foi morto mas vive, supremo Senhor.

Louvamos-te ó Deus, pelo Espírito luz;
Que nos tira das trevas e a Cristo conduz.

Oh vem nos encher, de celeste fervor;
E fazer-nos fruir Teu afável amor.

Leitura congregacional

Romanos 8:28-30

28Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. 29Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. 30E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou.

Oração congregacional

(Oração adaptada de orações de Spurgeon)

Pai, abre os olhos do meu coração para Te ver como és. Coloco as minhas preocupações a Teus pés.

Pai, o que quer que me aconteça hoje, quer seja uma caverna ou um trono, que os Teus mais altos louvores permaneçam nos meus lábios.

Abba, Pai, tenho de Te conhecer, tenho de saborear o Teu amor, tenho de habitar debaixo da Tua asa, tenho de contemplar a Tua face, tenho de sentir o Teu grande coração paternal a transbordar e a encher o meu coração de paz.

Em nome do Senhor Jesus. Amén.

Dedicação de dízimos e ofertas

Hino

Alvo mais que a neve

Seja bendito o Cordeiro
Que na cruz por nós padeceu!
Seja bendito o seu sangue
Que por nós pecadores verteu!
Eis, nesse sangue lavados
Com roupas que tão alvas são
Os pecadores remidos
Que perante seu Deus hoje estão!

    Alvo mais que a neve!
    Alvo mais que a neve!
    Sim, nesse sangue lavado
    Mais alvo que a neve serei!

Quão espinhosa a coroa
Que Jesus por nós suportou,
Oh! Quão profundas as chagas
Que nos provam o quanto Ele amou
Eis, nessas chagas, pureza
Para o mais torpe pecador!
Pois que, mais alvo que a neve
O teu sangue nos torna, Senhor!

Se nós a Ti confessarmos
E seguirmos a Tua luz
Tu não somente perdoas
Purificas também, ó Jesus!
Sim, e todo o pecado!
Que maravilha desse amor!
Pois que, mais alvos que a neve
O Teu sangue nos torna, Senhor!

Leitura

I Coríntios 9:16-23

16Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho! 17Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada. 18Nesse caso, qual é o meu galardão? É que, evangelizando, proponha, de graça, o evangelho, para não me valer do direito que ele me dá. 19Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. 20Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. 21Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. 22Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. 23Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele.

Oração intercessória pastoral

Pregação expositiva

I Samuel 25

Pastor Diego Lopes

1Faleceu Samuel; todos os filhos de Israel se ajuntaram, e o prantearam, e o sepultaram na sua casa, em Ramá. Davi se levantou e desceu ao deserto de Parã. 2Havia um homem, em Maom, que tinha as suas possessões no Carmelo; homem abastado, tinha três mil ovelhas e mil cabras e estava tosquiando as suas ovelhas no Carmelo. 3Nabal era o nome deste homem, e Abigail, o de sua mulher; esta era sensata e formosa, porém o homem era duro e maligno em todo o seu trato. Era ele da casa de Calebe. 4Ouvindo Davi, no deserto, que Nabal tosquiava as suas ovelhas, 5enviou dez moços e lhes disse: Subi ao Carmelo, ide a Nabal, perguntai-lhe, em meu nome, como está. 6Direis àquele próspero: Paz seja contigo, e tenha paz a tua casa, e tudo o que possuis tenha paz! 7Tenho ouvido que tens tosquiadores. Os teus pastores estiveram conosco; nenhum agravo lhes fizemos, e de nenhuma coisa sentiram falta todos os dias que estiveram no Carmelo. 8Pergunta aos teus moços, e eles to dirão; achem mercê, pois, os meus moços na tua presença, porque viemos em boa hora; dá, pois, a teus servos e a Davi, teu filho, qualquer coisa que tiveres à mão. 9Chegando, pois, os moços de Davi e tendo falado a Nabal todas essas palavras em nome de Davi, aguardaram. 10Respondeu Nabal aos moços de Davi e disse: Quem é Davi, e quem é o filho de Jessé? Muitos são, hoje em dia, os servos que fogem ao seu senhor. 11Tomaria eu, pois, o meu pão, e a minha água, e a carne das minhas reses que degolei para os meus tosquiadores e o daria a homens que eu não sei donde vêm? 12Então, os moços de Davi puseram-se a caminho, voltaram e, tendo chegado, lhe contaram tudo, segundo todas estas palavras. 13Pelo que disse Davi aos seus homens: Cada um cinja a sua espada. E cada um cingiu a sua espada, e também Davi, a sua; subiram após Davi uns quatrocentos homens, e duzentos ficaram com a bagagem. 14Nesse meio tempo, um dentre os moços de Nabal o anunciou a Abigail, mulher deste, dizendo: Davi enviou do deserto mensageiros a saudar a nosso senhor; porém este disparatou com eles. 15Aqueles homens, porém, nos têm sido muito bons, e nunca fomos agravados por eles e de nenhuma coisa sentimos falta em todos os dias de nosso trato com eles, quando estávamos no campo. 16De muro em redor nos serviram, tanto de dia como de noite, todos os dias que estivemos com eles apascentando as ovelhas. 17Agora, pois, considera e vê o que hás de fazer, porque já o mal está, de fato, determinado contra o nosso senhor e contra toda a sua casa; e ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar. 18Então, Abigail tomou, a toda pressa, duzentos pães, dois odres de vinho, cinco ovelhas preparadas, cinco medidas de trigo tostado, cem cachos de passas e duzentas pastas de figos, e os pôs sobre jumentos, 19e disse aos seus moços: Ide adiante de mim, pois vos seguirei de perto. Porém nada disse ela a seu marido Nabal. 20Enquanto ela, cavalgando um jumento, descia, encoberta pelo monte, Davi e seus homens também desciam, e ela se encontrou com eles. 21Ora, Davi dissera: Com efeito, de nada me serviu ter guardado tudo quanto este possui no deserto, e de nada sentiu falta de tudo quanto lhe pertence; ele me pagou mal por bem. 22Faça Deus o que lhe aprouver aos inimigos de Davi, se eu deixar, ao amanhecer, um só do sexo masculino dentre os seus. 23Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, desceu do jumento e prostrou-se sobre o rosto diante de Davi, inclinando-se até à terra. 24Lançou-se-lhe aos pés e disse: Ah! Senhor meu, caia a culpa sobre mim; permite falar a tua serva contigo e ouve as palavras da tua serva. 25Não se importe o meu senhor com este homem de Belial, a saber, com Nabal; porque o que significa o seu nome ele é. Nabal é o seu nome, e a loucura está com ele; eu, porém, tua serva, não vi os moços de meu senhor, que enviaste. 26Agora, pois, meu senhor, tão certo como vive o Senhor e a tua alma, foste pelo Senhor impedido de derramar sangue e de vingar-te por tuas próprias mãos. Como Nabal, sejam os teus inimigos e os que procuram fazer mal ao meu senhor. 27Este é o presente que trouxe a tua serva a meu senhor; seja ele dado aos moços que seguem ao meu senhor. 28Perdoa a transgressão da tua serva; pois, de fato, o Senhor te fará casa firme, porque pelejas as batalhas do Senhor, e não se ache mal em ti por todos os teus dias. 29Se algum homem se levantar para te perseguir e buscar a tua vida, então, a tua vida será atada no feixe dos que vivem com o Senhor, teu Deus; porém a vida de teus inimigos, este a arrojará como se a atirasse da cavidade de uma funda. 30E há de ser que, usando o Senhor contigo segundo todo o bem que tem dito a teu respeito e te houver estabelecido príncipe sobre Israel, 31então, meu senhor, não te será por tropeço, nem por pesar ao coração o sangue que, sem causa, vieres a derramar e o te haveres vingado com as tuas próprias mãos; quando o Senhor te houver feito o bem, lembrar-te-ás da tua serva. 32Então, Davi disse a Abigail: Bendito o Senhor, Deus de Israel, que, hoje, te enviou ao meu encontro. 33Bendita seja a tua prudência, e bendita sejas tu mesma, que hoje me tolheste de derramar sangue e de que por minha própria mão me vingasse. 34Porque, tão certo como vive o Senhor, Deus de Israel, que me impediu de que te fizesse mal, se tu não te apressaras e me não vieras ao encontro, não teria ficado a Nabal, até ao amanhecer, nem um sequer do sexo masculino. 35Então, Davi recebeu da mão de Abigail o que esta lhe havia trazido e lhe disse: Sobe em paz à tua casa; bem vês que ouvi a tua petição e a ela atendi. 36Voltou Abigail a Nabal. Eis que ele fazia em casa um banquete, como banquete de rei; o seu coração estava alegre, e ele, já mui embriagado, pelo que não lhe referiu ela coisa alguma, nem pouco nem muito, até ao amanhecer. 37Pela manhã, estando Nabal já livre do vinho, sua mulher lhe deu a entender aquelas coisas; e se amorteceu nele o coração, e ficou ele como pedra. 38Passados uns dez dias, feriu o Senhor a Nabal, e este morreu. 39Ouvindo Davi que Nabal morrera, disse: Bendito seja o Senhor, que pleiteou a causa da afronta que recebi de Nabal e me deteve de fazer o mal, fazendo o Senhor cair o mal de Nabal sobre a sua cabeça. Mandou Davi falar a Abigail que desejava tomá-la por mulher. 40Tendo ido os servos de Davi a Abigail, no Carmelo, lhe disseram: Davi nos mandou a ti, para te levar por sua mulher. 41Então, ela se levantou, e se inclinou com o rosto em terra, e disse: Eis que a tua serva é criada para lavar os pés aos criados de meu senhor. 42Abigail se apressou e, dispondo-se, cavalgou um jumento com as cinco moças que a assistiam; e ela seguiu os mensageiros de Davi, que a recebeu por mulher. 43Também tomou Davi a Ainoã de Jezreel, e ambas foram suas mulheres, 44porque Saul tinha dado sua filha Mical, mulher de Davi, a Palti, filho de Laís, o qual era de Galim.

Ceia do Senhor

Hino

Pão da vida

Pão da vida, pão dos céus
Pão celeste é meu Jesus
Pão que dá ao coração
Alegria, paz e luz

Sangue que Jesus verteu
É divino, é eficaz
Este sangue ao coração
Força, amor e vida traz

Vem, Jesus, me abençoar
Enche-me de Ti, senhor
Pois almejo Te servir
E Te honrar, meu Salvador

Benção apostólica